Quarta-feira, 17 de Novembro de 2010

coruja-das-torres (2)

(Continuação)

 

 

Voz

A sua vocalização é um grito rouco, que se assemelha ao ruído de tecido sendo rasgado. Apresenta um piar agudo quando se fere ou machuca, que também é vocalizado repetidas vezes para o acasalamento. Se surpreendida no seu esconderijo ou empoleirada, começa então a repetidas vezes reproduzir um som de estalar, chocando sua língua ao bico. As crias emitem um som de pedido como de um ressonar ruidoso.

 

Alimentação

As corujas-das-torres são animais nocturnos altamente dotados para caçar pequenas aves, invertebrados, roedores, pequenos lagartos e anfíbios. A sua principal ferramenta de caça é a sua aguçada audição que lhes permite ouvir sons e definir a posição da presa na escuridão total. Voam baixo, assim elas escutam os movimentos de suas presas e identificar facilmente obstáculos próximos pelo eco de seu quase inaudivel bater de asas. A coruja posiciona as pernas para a frente e esticando as suas garras afiadas, posicionando 3 garras para frente e uma para trás para apanhar a sua presa, invertebrados elas costumam comer vivos e inteiros, enquanto que pequenos vertebrados são mortos por asfixia, apertando forte as garras contra o peito deles. Suas presas são geralmente engolidas inteiras, presas muito grandes são desmembradas ou então arrancando pequenos pedaços e comendo-os, também não é raro encontrar Tyto albas que normalmente comam presas pequenas por partes ou arrancando pequenos pedaços antes de engolir o resto da presa de uma única vez, acredita-se que façam isso para saborear a carne e o sangue, aparentemente a bílis não lhe é desagradável apesar do forte odor, esse incomum hábito alimentar já foi identificado em alguns Tyto Alba em cativeiro possuídas por falcoeiros brasileiros. Cerca de 8 a 10 horas mais tarde elas regurgitam um única pelota de material que não conseguiu digerir, essa pelota húmida e preta (chamada de cast ou pellet em inglês) geralmente contém coisas como ossos, dentes, restos de carapaça de invertebrados, penas e pelos. Também é comum a Tyto albas nunca beberem água, retirando todo o líquido de que necessitam da carne que consomem.

 

(Continuação num outro post)

 

Pessoal então os vossos comentarios neste blogue????? Por favor comentem pessoal, vá lá, fazem-me feliz se comentarem.

publicado por gatinhafofa às 15:47
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|
Quinta-feira, 4 de Novembro de 2010

Cuidados a ter com os esquilos (1)

Nos dias que correm os esquilos começam a ser cada vez mais conhecidos como uns dos novos animais de companhia exóticos. No entanto, são roedores com necessidades e comportamentos muito próprios diferindo bastante em relação á grande maioria dos roedores.

 

Alimentação

 

A alimentação é um dos factores de maior importância para manter os esquilos de boa saúde e com forças para toda aquela actividade enérgica bem característica destes pequenos roedores. Na natureza, os esquilos têm uma alimentação muito variada consumindo sementes, flores, cogumelos, etc. Em cativeiro, uma boa alimentação passa por uma ração a mais variada possível, acompanhada por pequenos complementos.

Nunca se deve de dar comida de papagaio aos esquilos, pois para além de ser muito calórica devido à quantidade de sementes de girassol, também é muito incompleta face ás suas necessidades.

Actualmente pode-se encontrar com facilidade rações próprias para esquilos. Estas rações são constituídas por uma mistura de sementes e frutos secos (amendoins, avelãs, alfarroba, sementes de girassol, fruta seca, etc.), sendo esta a alimentação base que deve estar sempre à disposição do animal. Como complemento da alimentação principal, deve-se colocar fruta (maçã, pêra, uvas, laranja, etc.) com alguma frequência e uma pequena guloseima. Essa guloseima pode ser amendoim, avelã, amêndoa, pinhão, castanha e noz, tudo com casca, pois ajuda ao desgaste dos dentes, factor esse que é vital nos roedores. As guloseimas, são também um dos factores essenciais na domesticação de um esquilo, ajudando a criar um laço de afecto entre dono e animal. Dando todos os dias, mais ou menos á mesma hora uma pequena guloseima, leva o esquilo a fazer a analogia: DONO = GOLOSEIMA, e assim percebe que a presença do dono não constitui uma ameaça, mas sim comida.

É lógico que nem em todos os casos este truque resulta, no entanto, o facto dos esquilos serem muito gulosos pode ajudar bastante à obtenção de resultados satisfatórios.


Outro factor que tem tanta importância como a alimentação é a água. Os esquilos deverão de ter sempre à disposição uma "garrafa" própria para roedores com água, devendo mudá-la de dois em dois dias especialmente no Verão, quando a água tem tendência para ficar mais choca. Não se deve de deixar a água acabar pois isso poderá indicar que o esquilo necessitou de beber e não teve.


Tudo isto é o mínimo necessário para a manutenção de um esquilo em cativeiro, de qualquer forma compete ao dono "investigar" o que o seu esquilo mais gosta de comer, devendo ter sempre em conta a alimentação da espécie quando está na natureza.

...............(Continuação num outro post)

 

Pessoal eu espero bem que leiam os posts deste meu blogue,pois como não comentam eu acho que vocês não acham piada a este blogue e assim eu fico triste mas atenção pessoal caso vocês façam alguns comentarios neste blogue vão ganhar alguns premios-plaquinhas, portanto, pessoal, toca a comentar. mil beijinhos a todo o pessoal que vai ler isto.

publicado por gatinhafofa às 12:40
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. coruja-das-torres (2)

. Cuidados a ter com os esq...

.arquivos

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

.tags

. todas as tags

.Visitas

contador gratuito
blogs SAPO

.subscrever feeds